AMAVI Associação dos Municípios do Alto Vale do Itajaí

segunda, 07 de junho de 2021

Médico celetista não pode manter contratos de trabalho idênticos com o mesmo ente público

A coexistência de contratos de trabalho simultâneos entre um empregado e um mesmo empregador é possível, mas somente para atividades distintas. Com base nesse entendimento, a 3ª Câmara do Tribunal Regional do Trabalho da 12ª Região (TRT-SC) considerou irregular a situação de um médico que, por seis meses, manteve dois contratos idênticos de trabalho com a rede estadual de saúde de SC.

O médico trabalhava desde 2014 como plantonista em Lages (SC) e, a partir de 2017, passou a prestar atendimento na cidade vizinha de São Joaquim. Embora o trabalho fosse o mesmo, a empresa responsável pela gestão da rede estadual à época orientou o profissional a firmar um segundo contrato com o ente público, alegando que as unidades de saúde integravam centros com orçamento separados.

No final de 2017, após ser dispensado das funções, o médico ingressou com ação trabalhista alegando ter sido prejudicado pela duplicidade de contratos. Segundo o profissional, a medida teria reduzido seu montante de horas extras e, ao mesmo tempo, diminuiu a base de cálculo utilizada para o pagamento de verbas como férias e décimo terceiro salário.

Nulidade

O caso foi julgado pela 3ª Vara de Lages, que declarou a nulidade do segundo contrato e condenou a gestora a pagar R$ 200 mil em verbas trabalhistas. Na sentença, o juiz Antonio Carlos Chedid Junior defendeu que, embora possível, a coexistência de contratos não poderia ser usada para evitar a alteração de um termo já existente.
“Em se tratando de contratos simultâneos com o mesmo empregador, incumbe a este comprovar as circunstâncias que motivaram a nova contratação, que deverá se referir à função e atribuições diversas das inicialmente pactuadas, sob pena de nulidade do contrato sobrepujante”, afirmou o magistrado.

Para o juiz, a alegação de que as unidades pertenceriam a estruturas orçamentárias distintas não poderiam ter impacto trabalhista. “A pactuação do novo contrato ocorreu para exercício da mesma função, com as mesmas atribuições e na mesma localidade”, enfatizou.

Recurso

Houve recurso ao TRT-SC e, de forma unânime, os desembargadores da 3ª Câmara mantiveram a decisão de primeiro grau. Na interpretação do colegiado, a simultaneidade de contratos com o mesmo empregador exige a demonstração de que os vínculos têm escopos diversos. “A única distinção fática apresentada foi a de que o trabalho era desempenhado em centrais de regulação diversas”, observou a desembargadora-relatora Quézia Gonzalez. “Não justifica a celebração de mais de um contrato empregatício”.

Ao concluir seu voto, a relatora também afirmou que a declaração de nulidade do segundo contrato não dependeria da comprovação de que houve algum vício de consentimento entre as partes, como alegado pela defesa da empresa. “Todo o Direito do Trabalho erige-se sobre a premissa de que há concretamente disparidades substanciais entre os dois polos da relação de emprego”, afirmou, ressaltando que direitos que tratam da limitação da jornada e horas extras não podem ser livremente negociados.

As partes ainda têm prazo para recorrer da decisão.

FONTE: TRT12

Fonte: Publicações online

Últimas notícias jurídicas

20 de dezembro de 2021
Emenda Constitucional nº 114, de 16.12.2021 - DOU de 17.12.2021
Altera a Constituição Federal e o Ato das Disposições Constitucionais Transitórias para estabelecer o novo regime de pagamentos de precatórios, modificar normas relativas ao Novo Regime Fiscal...

09 de dezembro de 2021
Lei nº 14.259, de 07.12.2021 - DOU de 08.12.2021
Altera a Lei nº 14.124, de 10 de março de 2021 , que dispõe sobre as medidas excepcionais relativas à aquisição de vacinas e de insumos e à contratação de bens e serviços de logística, de...

09 de dezembro de 2021
Medida Provisória nº 1.077, de 07.12.2021 - DOU de 08.12.2021
Institui o Programa Internet Brasil.O Presidente da República, no uso da atribuição que lhe confere o art. 62 da Constituição , adota a seguinte Medida Provisória, com força de lei:Art. 1º Fica...

07 de dezembro de 2021
TJSC - Decisão suspende eficácia de lei que inclui previsão da educação domiciliar no Estado
O Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC), em decisão da desembargadora Maria do Rocio Luz Santa Ritta ad referendum do Órgão Especial, concedeu cautelar postulada pelo Ministério Público...

06 de dezembro de 2021
Lei de MT que vincula reajuste de servidor ao INPC é inconstitucional, diz STF
Segundo o artigo 37, inciso XIII, da Constituição, é "vedada a vinculação ou equiparação de quaisquer espécies remuneratórias para o efeito de remuneração de pessoal do serviço público".A...

06 de dezembro de 2021
STJ aprova duas novas súmulas
A Primeira Seção do Superior de Justiça (STJ), especializada em direito público, aprovou nessa quinta-feira (2) dois novos enunciados sumulares.As súmulas são o resumo de entendimentos...

03 de dezembro de 2021
INTERESSE NACIONAL Plenário do Supremo nega ações contra Novo Marco do Saneamento Básico
Questões referentes ao saneamento básico são intrinsecamente de interesse local e de competência dos municípios. Mas isso não impede a atuação conjunta e integrada entre todos os entes da...

09 de novembro de 2021
PESSOA FÍSICA Multas por condenação podem recair sobre prefeito que descumpre TAC
A imposição de astreintes pode ser direcionada não apenas ao ente estatal, mas também às autoridades ou aos agentes responsáveis pelo cumprimento das determinações judiciais.Com esse...

04 de novembro de 2021
Município pode criar serviço de assistência jurídica a hipossuficientes, diz STF
Esse foi o entendimento do Plenário do Supremo Tribunal Federal, por nove votos a um, ao negar, nesta quarta-feira (3/11), arguição de descumprimento de preceito fundamental contra normas da...

AMAVI - Associação dos Municípios do Alto Vale do Itajaí
CNPJ: 82.762.469/0001-22
Expediente: Segunda a sexta, das 8h às 12h e das 14h às 17h.
Fone: (47) 3531-4242 - Endereço: Rua XV de Novembro, nº 737, Centro, Rio do Sul/SC
CEP: 89160-015 - Email: amavi@amavi.org.br
Instagram
Ir para o topo

O portal da AMAVI utiliza alguns cookies para coletar dados estatísticos. Você pode aceitá-los ou não a seguir. Para mais informações, leia sobre nossos cookies na página de política de privacidade.