AMAVI Associação dos Municípios do Alto Vale do Itajaí

segunda, 07 de junho de 2021

Médico celetista não pode manter contratos de trabalho idênticos com o mesmo ente público

A coexistência de contratos de trabalho simultâneos entre um empregado e um mesmo empregador é possível, mas somente para atividades distintas. Com base nesse entendimento, a 3ª Câmara do Tribunal Regional do Trabalho da 12ª Região (TRT-SC) considerou irregular a situação de um médico que, por seis meses, manteve dois contratos idênticos de trabalho com a rede estadual de saúde de SC.

O médico trabalhava desde 2014 como plantonista em Lages (SC) e, a partir de 2017, passou a prestar atendimento na cidade vizinha de São Joaquim. Embora o trabalho fosse o mesmo, a empresa responsável pela gestão da rede estadual à época orientou o profissional a firmar um segundo contrato com o ente público, alegando que as unidades de saúde integravam centros com orçamento separados.

No final de 2017, após ser dispensado das funções, o médico ingressou com ação trabalhista alegando ter sido prejudicado pela duplicidade de contratos. Segundo o profissional, a medida teria reduzido seu montante de horas extras e, ao mesmo tempo, diminuiu a base de cálculo utilizada para o pagamento de verbas como férias e décimo terceiro salário.

Nulidade

O caso foi julgado pela 3ª Vara de Lages, que declarou a nulidade do segundo contrato e condenou a gestora a pagar R$ 200 mil em verbas trabalhistas. Na sentença, o juiz Antonio Carlos Chedid Junior defendeu que, embora possível, a coexistência de contratos não poderia ser usada para evitar a alteração de um termo já existente.
“Em se tratando de contratos simultâneos com o mesmo empregador, incumbe a este comprovar as circunstâncias que motivaram a nova contratação, que deverá se referir à função e atribuições diversas das inicialmente pactuadas, sob pena de nulidade do contrato sobrepujante”, afirmou o magistrado.

Para o juiz, a alegação de que as unidades pertenceriam a estruturas orçamentárias distintas não poderiam ter impacto trabalhista. “A pactuação do novo contrato ocorreu para exercício da mesma função, com as mesmas atribuições e na mesma localidade”, enfatizou.

Recurso

Houve recurso ao TRT-SC e, de forma unânime, os desembargadores da 3ª Câmara mantiveram a decisão de primeiro grau. Na interpretação do colegiado, a simultaneidade de contratos com o mesmo empregador exige a demonstração de que os vínculos têm escopos diversos. “A única distinção fática apresentada foi a de que o trabalho era desempenhado em centrais de regulação diversas”, observou a desembargadora-relatora Quézia Gonzalez. “Não justifica a celebração de mais de um contrato empregatício”.

Ao concluir seu voto, a relatora também afirmou que a declaração de nulidade do segundo contrato não dependeria da comprovação de que houve algum vício de consentimento entre as partes, como alegado pela defesa da empresa. “Todo o Direito do Trabalho erige-se sobre a premissa de que há concretamente disparidades substanciais entre os dois polos da relação de emprego”, afirmou, ressaltando que direitos que tratam da limitação da jornada e horas extras não podem ser livremente negociados.

As partes ainda têm prazo para recorrer da decisão.

FONTE: TRT12

Fonte: Publicações online

Últimas notícias jurídicas

23 de setembro de 2022
STF invalida cobrança de taxas em processos administrativos fiscais no Ceará
O entendimento adotado foi que a Constituição Federal exclui competência para instituição de taxa em virtude do exercício do direito de petição.O Supremo Tribunal Federal (STF) julgou...

20 de setembro de 2022
STF referenda liminar que suspendeu piso salarial da enfermagem
Entes da área de saúde terão 60 dias para esclarecer impacto da medida. Após esse prazo o relator reavaliará o caso.O Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) referendou a liminar deferida...

19 de setembro de 2022
STF valida compartilhamento de dados mediante requisitos
O Plenário também fixou restrições à atuação do Comitê Central de Governança de DadosPor maioria dos votos, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que órgãos e entidades da administração...

13 de setembro de 2022
STF - Supremo valida competência do TCU para fiscalizar aplicação de recursos do Fundeb
A Corte entendeu que os recursos destinados à complementação do fundo provêm da União e, portanto, cabe ao TCU fiscalizar a sua aplicação.Por unanimidade, o Supremo Tribunal Federal (STF)...

05 de setembro de 2022
STF decide que entes públicos interessados podem propor ação de improbidade administrativa
Em julgamento encerrado nesta quarta-feira (31), o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que entes públicos que tenham sofrido prejuízos em razão de atos de improbidade também estão...

05 de setembro de 2022
Barroso suspende piso salarial da enfermagem e pede esclarecimentos para avaliar impacto nos gastos públicos e risco de demissões
Ministro do STF analisou informações preliminares e viu risco concreto e imediato de demissão em massa e de redução da oferta de leitos. Ele deu prazo de 60 dias para que entes públicos e...

29 de agosto de 2022
STF - Invalidadas regras sobre vacância de cargos de governador e vice nos últimos anos de mandato
As Constituições de São Paulo e do Acre não podem suprimir a realização de eleições nesse processo de escolha do chefe do Executivo.O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que é indispensável...

19 de agosto de 2022
STF - Indenização por incapacidade ou morte de profissionais da saúde em razão da pandemia é constitucional
Segundo a ministra Cármen Lúcia, trata-se de política pública para atender a finalidade específica de buscar atenuar os malefícios causados pela pandemia à categoria.Plenário do Supremo...

19 de agosto de 2022
STJ veda atuação da guarda municipal como força policial e limita hipóteses de busca pessoal
A Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) reforçou o entendimento de que a guarda municipal, por não estar entre os órgãos de segurança pública previstos pela Constituição Federal,...

AMAVI - Associação dos Municípios do Alto Vale do Itajaí
CNPJ: 82.762.469/0001-22
Expediente: Segunda a sexta, das 8h às 12h e das 14h às 17h.
Fone: (47) 3531-4242 - Endereço: Rua XV de Novembro, nº 737, Centro, Rio do Sul/SC
CEP: 89160-015 - Email: amavi@amavi.org.br
Instagram
Ir para o topo

O portal da AMAVI utiliza alguns cookies para coletar dados estatísticos. Você pode aceitá-los ou não a seguir. Para mais informações, leia sobre nossos cookies na página de política de privacidade.